Dr. Martínez Lavín; “A pesquisa da fibromialgia é do neurologista, mas o tratamento permanecerá do reumatologista”

O DR. Manuel Martínez Lavín e seus colegas do Instituto Nacional de Cardiologia do México parecem ter encontrado a chave, após as investigações foram realizadas por dez anos: uma alteração no funcionamento do sistema nervoso autônomo pode explicar a origem da fibromialgia.

Dr. Martínez Lavín;  "A pesquisa da fibromialgia é do neurologista, mas o tratamento permanecerá do reumatologista"

O DR. Manuel Martínez Lavín e seus colegas do Instituto Nacional de Cardiologia do México parecem ter encontrado a chave, após as investigações foram realizadas por dez anos: uma alteração no funcionamento do sistema nervoso autônomo pode explicar a origem da fibromialgia. Segundo essa teoria, os pacientes sofrem um constante excesso de adrenalina e a manifestação da dor generalizada, “dor neuropática mantida pelo sistema simpático”, é decorrente do mau funcionamento do sistema nervoso autônomo.

” Deve terminar a discussão sobre se a fibromialgia é uma condição física ou mental: é uma condição real, período”

O Dr. Manuel Martínez Lavín é uma das principais autoridades mundiais em fibromialgia. Ele estudou medicina no México, estudou medicina interna na Universidade de St. Louis e a especialidade de reumatologia da Universidade de LaOya (Estados Unidos). Foi precisamente nesta última universidade que ele se interessou pela fibromialgia, graças ao Dr. Hench, com quem colaborou e que propôs o termo fibromialgia para essa doença. Em seu retorno ao México, ele continuou com a pesquisa que já o fez pensar que a desregulação autonômica poderia ser a chave para os mecanismos que levam à fibromialgia.

A fibromialgia é um distúrbio muito comum que afeta cerca de 2% da população geral; a maioria das pessoas afetadas são mulheres. É caracterizada pela presença de dor crônica generalizada grave, cansaço que não melhora com repouso, insônia e outros com tiros, como formigamento nas extremidades, desconforto abdominal, micção frequente, ansiedade e depressão, entre outros.“Não houve explicação lógica para a presença de sintomas tão heterogêneos na mesma pessoa que os pacientes foram subdiagnosticados e frequentemente subtratados”. “É claro que o ser humano é mente e corpo e não pode ser separado. Todas as doenças crônicas têm um componente físico e mental, muito mais aquelas em que a dor é um fator primário. A partir de agora, terminará com a discussão sobre se é uma condição física ou mental, concluir que é uma condição real, período “ . O Dr. Martínez Lavín aponta que os sintomas são reais e existem evidências convincentes. “A dor sempre será uma sensação subjetiva e particular, mas os neurotransmissores da dor são muito altos no líquido cefalorraquidiano nesses pacientes” .

TAREFA PARA O NEUROLOGISTA E O REUMATOLOGISTA

-Pode deixar de ser uma doença reumática?

Eu acho que é uma doença neurológica. No entanto, o reumatologista continuará a vê-lo na clínica porque os pacientes sentem dor nos músculos e nas articulações, sintomas que podem ser confundidos com outras doenças, como a artrite.

– Existem fatores que pioram o prognóstico?

Quando há uma psico impacto lógico critérios importantes catástrofe à doença, incapacidade de responder a ela, uma atitude de desespero, o prognóstico é pior, mas quando o paciente toma e lutar contra a doença, ou fibromialgia ou outra condição, Fica melhor. E apesar de estarmos longe de um tratamento efetivo, já temos algumas medidas que podem melhorar a qualidade de vida. Esforços devem ser dirigidos, de acordo com este especialista, para equilibrar a hiperatividade do sistema nervoso autônomo através de uma abordagem abrangente com base no entendimento da doença, exercícios que reduzem o tônus ​​simpático (aqui as técnicas orientais de Tai Chi e afins são úteis) Disciplinas psicológicas de relaxamento e dieta livre de substâncias similares à adrenalina.

” Infelizmente ” , diz o Dr. Manuel Martínez Lavín, ” uma vez estabelecidas as interconexões anormais entre o sistema simpático e as vias da dor, elas são irreversíveis. Nestes casos, é necessário o uso de medicamentos antineuropáticos para reduzir a dor. Vários compostos antineuropáticos estão em pesquisa e desenvolvimento que provavelmente serão aplicados em casos de fibromialgia . 

Atualmente, a equipe do Dr. Martínez Lavín abriu novos canais de pesquisa:“Estamos focados em ver as alterações genéticas que levam a essa desregulação autonômica e estamos olhando para o gene da enzima que degrada a adrenalina. Alterações deste gene estão presentes em pacientes com fibromialgia. Mas ainda estamos com dados preliminares. Nós teremos que esperar . 

COLABORAÇÃO HISPÂNICO-MEXICANA

Este ano, iniciou-se uma colaboração institucional entre as sociedades científicas espanholas e mexicanas de reumatologia, concretizada com a publicação da revista científica “Reumatologia Clínica”, que aspira a ser “líder da expressão científica de língua espanhola”, como tem feito. nomeou o presidente do SER, e futuros projetos comuns de educação continuada entre seus membros.“No México, vemos com grande respeito e com uma inveja saudável a grande evolução da ciência, da medicina e, em particular, da reumatologia espanhola. O acordo dessas duas sociedades trará um futuro maior conhecimento das doenças reumáticas. Mas para isso todas essas boas intenções não devem permanecer no papel, devemos trabalhar para ter um intercâmbio de médicos, participar dos respectivos congressos, participar de projetos de pesquisa comuns e nos ajudar em áreas que se destacam em ambos os países para que todos vamos nos beneficiar “ .

-Que doenças vão ser as mais beneficiadas?

– Aqueles cujos mecanismos conhecemos melhor, como artrite, espondiloartrite.Conhecê-los melhor nos permite oferecer tratamentos mais eficazes, como é agora com anti-TNF.

O Dr. Martínez Lavín destaca a cobertura do Sistema Nacional de Saúde espanhol.“O acesso às drogas no México não é universal, não atinge 50% da população; Há uma população não assalariada que não é coberta pela previdência social e não tem acesso a novos medicamentos. É uma deficiência de saúde que ainda temos pendente e que deve ser alterada “ .

“Temos que trabalhar para que haja uma troca de médicos, respectivos congressos, projetos de pesquisa comuns e nos ajudem em áreas que se destacam nos dois países para que todos nos beneficiemos . 

Um mau funcionamento do sistema nervoso autônomo, possível explicação.

O sistema nervoso autônomo é uma intricada rede nervosa. É o principal sistema de regulação de todos os animais, incluindo humanos. É responsável por manter o equilíbrio funcional de nosso organismo sem que tenhamos consciência dele (daí o termo “autônomo”). Mantém a pressão arterial, a pulsação e a respiração, bem como o funcionamento normal de todos os órgãos internos. Este sistema tem um ramo chamado “simpático”, que funciona através da produção de adrenalina e acelera as funções do corpo. Como contrapartida é a influência do ramo “parassimpático” que age como um antagonista e favorece o sono e a digestão. O sistema nervoso autônomo é a interface entre a mente e o corpo. Através deste sistema, emoções como raiva ou medo são traduzidas em funções biológicas, palidez,

Até poucos anos atrás, o funcionamento do sistema nervoso autônomo era praticamente desconhecido, mas a situação mudou radicalmente com a nova tecnologia e com o apoio da ciência da computação, que permite a “análise da variabilidade da frequência cardíaca”. Usando essa tecnologia, pesquisadores do Instituto Nacional de Cardiologia do México descobriram que pacientes com fibromialgia tinham uma hiperatividade incessante do sistema nervoso simpático, uma anormalidade que era especialmente evidente durante as horas de sono. Em outras palavras, os pacientes sofrem de um excesso constante de adrenalina.

A pesquisa adicional Martinez Lavin et al sugerem que todas as manifestações de fibromialgia podem ser explicadas por uma disfunção do sistema nervoso autónomo e o cardinal generalizado- O desconforto dor poderia ser explicada pelo mecanismo chamado de “dor neuropática mantida pelo sistema simpático” .

DOR NEUROPÁTICA

Geralmente a sensação de dor significa dano ao organismo. No entanto, há um tipo diferente de dor chamada “neuropática”, que é produzida por uma alteração intrínseca na dor, transmitindo nervos que são incessantemente irritados e transmitem a dor como se o corpo fosse atingido. Este tipo de dor é acompanhado por outras sensações desagradáveis, como queimação, formigamento ou choques elétricos. “Na dor neuropática há também hipersensibilidade ao toque, os contatos que normalmente são inócuos, como abraçar ou usar roupas apertadas, são percebidos como dolorosos” .

Pesquisa do Instituto Nacional de Cardiologia do México mostra que todas essas características neuropáticas estão presentes em pacientes com fibromialgia.

Normalmente a adrenalina não é geradora de dor; no entanto, em certos tipos de dor neuropática, essa substância é capaz de irritar as terminações nervosas. Esse fenômeno, denominado “dor mantida pelo sistema simpático”, ocorre, segundo essas investigações, em pacientes fibromiálgicos.

A teoria de que a fibromialgia é produzida por um mau funcionamento do sistema nervoso autônomo e que seu principal sintoma, a dor, é de origem neuropática e mantida pela hiperatividade simpática abre novos canais para o tratamento. “O futuro dos pacientes com fibromialgia é mais encorajador, vai de um momento de incompreensão e desqualificação a outro de pesquisa e reconhecimento.Este trânsito terá como consequência necessária uma melhoria nos tratamentos. Se for entendido que é o principal sistema de regulação do organismo afetado, será percebida a necessidade de o tratamento ser abrangente, atendendo tanto aos sintomas físicos quanto às suas repercussões emocionais e sociais “ .

Advertisement
⬇⬇Suscríbete al canal de Youtube⬇⬇ ➡



Para aquellos que no entienden la fibromialgia

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *