Eva Piñeiro: «Com a fibromialgia aprendi a não sofrer por bobagens»

A vida não tem sido fácil para Eva Piñeiro (Pontedeume, 1973), e não apenas para a fibromialgia que ela sofre. Como escrever sobre isso o fez bem, ele decidiu editar sua própria história em um livro chamado Um pouco de tudo e um monte de nada. Meu mundo é mágico .

Como tudo começou?

Quando fiquei doente, os médicos não sabiam o que eu tinha. Vem testes e mais provas … Eu tinha 38 anos, estava em uma cama e eles me disseram que eu tinha que ficar assim, sem saber o que esperar. Eles me deram 21 comprimidos por dia. Eu estava quase sempre dormindo.

Quais foram os primeiros sintomas?

-Muito fadiga, dor e vertigem. Às vezes, eu não conseguia andar, caí para todos os lados.

-O que você trabalhou?

– Aí vivi em O Barco de Valdeorras e trabalhei no setor da ardósia, escolhendo e embalando.

-Mas ele começou a ficar doente.

Sim Senti um mal-estar geral, desejo de retribuir e tontura. Não era uma fadiga como o trabalho, que era duro por si só.

Quanto tempo demorou até obter o diagnóstico?

-Sete anos. Antes disso, o neurologista da Previdência Social me receitou um tratamento sintomático: “Se doer, comprimidos. Se você ficar tonto, pílulas ».

– Você se sentiu não?

Sim Outro médico me disse que ela não tinha nada. E eu chorei. Era tão difícil para mim me levantar e me vestir, mesmo que fosse só para ir ao médico, que não entendia que me tratavam assim. Eu sou uma pessoa, não um cachorro. Mas eles até me deram morfina!

“Eu só queria ser levado a sério, suponho.

-Isso é. Eu sempre esperei que eu ficasse bem, mas esse dia nunca chegou. Você sente que vai piorar, que a doença te suga, que você está morrendo. Você sente morrer É como quando vai lhe dar uma tensão baixa: aquela fraqueza, aquele momento em que você pensa que vai cair, aquele suor frio, aquele desejo de devolver …

– Você se desespera por não saber contra o que está lutando?

Sim Um médico me disse que a fibromialgia não mata, mas nem ao vivo. Você não tem força para comer. Você se levanta com 15% de energia e é isso que você tem que gerenciar durante todo o dia. É um cansaço que não permite fazer nada. Eu nem sequer cheguei ao banheiro. Quando ele conseguiu, ele já estava à beira de desmaiar.

– Que outros sintomas você tem? Porque não é só dor.

-Assim é. Se apenas a dor fosse, eu acho que poderia viver perfeitamente. Eu aguento muito, mas são mais coisas. O que mais me incomoda é exaustão. Eu sinto que não posso com a minha alma. Agora, com o tratamento, estou melhor. Antes, ter que sair da cama era uma provação. Você coloca os pés no chão e sente as pernas como se estivessem quebradas.

-Mas agora ele sabe o que ele tem.

Sim Quando eles me disseram o que era, eu respirei. Agora eu sei com o que estou vivendo, eu acho diferente, eu já posso tentar me adaptar a isso. Além disso, quando você não sabe o que você tem, você pensa em todos os tipos de doenças. Na minha família há vários casos de câncer e eu temia que fosse a minha vez.

-O que você aprendeu com isso?

-Para dar importância às coisas que realmente são importantes e não sofrer por bobagens.

«Eu só consigo sair uma ou duas vezes por mês, para ir ao médico»

Eva Piñeiro conta como ela coexiste com uma doença crônica como a fibromialgia.

– Como está sua vida agora?

– Um dia eu não consigo sair da cama e o outro, sim. Talvez agora eu chegue em casa e eu tenha que ir para a cama. Eu não posso seguir uma rotina diária.

Você tem dor todos os dias?

Tudo. Sim. Há dias em que é tão intenso que não consigo me mexer. A única coisa que funciona para mim são os opiáceos que me prescreveram, porque adormeço.

-Você sai na rua?

– Apenas um ou dois dias por mês, quando vou à loja ou ao médico. Aos domingos, meu marido pode me levar em uma viagem e isso me dá vida.

– Como está o tratamento?

-Os tratamentos são difíceis, isso muda muito a sua vida. Eu tinha uma juba … mas meu cabelo caiu. Eu sempre fui atleta e agora não posso andar ou subir as escadas em casa. Você está adaptando sua vida. Eu conheço muitas pessoas que afundam com isso e não veem saída. É uma doença crônica, mas se você se deixa ir, acaba ficando sem depressão e sem sair da cama. Eu quero te ajudar

É por isso que ele queria compartilhar sua história neste livro.

Sim Como não consegui sair de casa praticamente, procurei algo para ser entretido. Primeiro comecei a pintar [a capa do livro é o seu trabalho], mas acabei deixando-a, porque tinha mais e mais encomendas de toda a Espanha e não conseguia. Então ele me deu um derrame e isso me custou a me recuperar.

Houve mais momentos difíceis.

Sim Esta é uma história triste, porque eu começar a contar a minha vida desde que eu era uma criança e falar sobre estupro e sobre os maus-tratos, mas agora eu vejo isso de uma outra perspectiva. Eu valorizo ​​muito o pouco de bom que tenho, isso me faz feliz. É por isso que digo que meu mundo é mágico.

Advertisement
Advertisement
⬇⬇Suscríbete al canal de Youtube⬇⬇ ➡



Para aquellos que no entienden la fibromialgia

Leave a Reply

Your email address will not be published.